Delegado Wellington destaca importância da Guarda Municipal e integração das forças de segurança

O presidente da Comissão de Segurança Pública na Câmara Municipal de Campo Grande, vereador Delegado Wellington (PSDB), usou a palavra durante sessão ordinária desta terça-feira (17), para destacar o importante papel realizado pela Guarda Civil Metropolitana na Capital e ressaltar a necessidade da integração das forças de segurança pública em benefício dos cidadãos.

“Todas as forças de segurança têm uma competência constitucional demarcadas e previstas no artigo 144 da constituição, e apesar de não fazer parte do rol do artigo, o parágrafo oitavo estabelece que a guarda municipal faz parte da segurança pública. Portanto, evitar e ignorar a atuação da guarda é um retrocesso burocrático” disse Delegado Wellington, acrescentando ainda que “impedir que a guarda exerça seu papel dentro da manutenção da ordem pública e resguardando os bens públicos, é ir na contramão da integração da segurança pública”.

Em benéfico aos cidadãos que necessitam da segurança pública, o vereador destacou o Plano Municipal de Segurança Pública, de sua autoria e cobrou uma real integração entre todas as áreas da segurança desde a Polícia Federal, passando pela Civil, Militar até a Guarda Civil Metropolitana.

“Será que vamos trabalhar a segurança pública de forma ilhada? Não! Temos que trabalhar de forma integrada, pois segurança pública é um problema de todos. Não cabe a nenhuma instituição colocar podas em outra instituição, pois quem acaba prejudicado é o próprio cidadão que precisa de segurança. Temos que trabalhar em conjunto, como está previsto no plano municipal de segurança pública”, enfatizou o parlamentar.

De acordo com o vereador, não pode haver conflitos na atuação entre a Guarda Municipal e a Policia Militar. “O maior interesse deve ser o da população, a guarda municipal e policia militar devem trabalhar de forma simultâneas, não existe invasão em suas atribuições. O que nós precisamos é que dentro do permitido pela lei trabalhar de forma integrada, pois enquanto se discute o que um faz ou deixa de fazer, o crime continua acontecendo”, finalizou Delegado Wellington.