Delegado Wellington endossa projeto que propõe medidas mais rígidas aos comerciantes e usuários de linhas com cerol

Preocupado com os recentes casos de acidentes envolvendo linhas com cerol na Capital, o vereador Delegado Wellington (PSDB) assinou juntamente com os vereadores João César Mattogrosso, Eduardo Romero, André Salineiro e Cida Amaral, o Projeto de Lei Complementar 647/19, que altera a lei complementar nº 116/08, que foi modificada pela lei 287/16, que dispõe sobre a proibição da utilização e comercialização de cerol ou qualquer outro tipo de material cortante nas linhas de pipas em Campo Grande.

A proposta que prevê o aumento na rigidez das autuações foi aprovada em regime de urgência durante sessão ordinária desta terça-feira (12).

O projeto prevê aumentar em cinco vezes o valor da multa para quem for pego portando ou comercializando linha com cerol, chilena e congêneres. A multa em caso de apreensão dos materiais será de R$ 1 mil para quem estiver utilizando e de R$ 5 mil para estabelecimentos comerciais.

“O projeto é de extrema importância pois estamos vivendo um problema sério em Campo Grande que é o cerol, antes de ser uma diversão as pessoas precisam entender que o cerol mata, fere, mutila e acaba com sonhos de várias famílias. Muito além de pensar em multa, as pessoas precisam entender a problemática que cerol pode causar na sociedade”, declarou Delegado Wellington.

Atualmente aos estabelecimentos comerciais flagrados com materiais desta natureza, são autuados e multados de R$ 1 mil. Já nos casos de particulares flagrados portando cerol ou linha chilena, bem como outros materiais e artefatos cortantes a multa é de R$ 200 reais.